0115UTILIZADORES ONLINE

Conversa com Aurora Cunha

Apesar de já ter terminado a sua carreira no atletismo, a Aurora mantém-se ligada à modalidade. O que desperta o seu interesse no apoio contínuo às corridas?

AC: O Desporto faz parte integrante da minha vida. O meu apoio contínuo às corridas tem um propósito fundamental: sensibilizar as pessoas para terem uma vida com maior qualidade, desfrutarem do dia-a-dia plenamente com a perceção de que correr pode ajudar na saúde e no bem-estar de quem o faz e com prazer.

A Aurora é uma das grandes impulsionadoras da Corrida da Mulher desde o seu início, em que medida pensa que esta prova é importante para as mulheres da cidade do Porto?

AC: A Corrida da Mulher é já um marco dos eventos desportivos da cidade do Porto. Constitui um belo exemplo de que as mulheres merecem que pensem em provas de qualidade destinadas a elas, quando isso acontece elas respondem massivamente e emprestando um brilho especial à corrida e à cidade.

Lamentavelmente, as raparigas e as mulheres ainda têm menores oportunidades para a prática desportiva, a Corrida da Mulher da cidade do Porto é um excelente contributo para a sensibilização dos benefícios da prática desportiva e para a atractibidade das raparigas e das mulheres para o desporto.

Tendo em conta a dimensão e a particularidade da Corrida da Mulher, a Runporto debate-se com várias dificuldades ao nível da organização desta prova. Tem notado um aumento da complexidade desta corrida ao longo dos anos?

AC: Sim, efetivamente ao nível organizativo e de gestão a Corrida da Mulher é um evento de grande complexidade face à resposta excelente de milhares de raparigas e mulheres a esta corrida. A organização tem estado à altura das expectativas e a cidade e as mulheres agradecem naturalmente.

A Corrida da Mulher já vai na 11ª edição e continua a ser um sucesso entre o público feminino, pensa que é importante existirem eventos exclusivamente femininos?

AC: Nesta fase em que entre nós a participação desportiva feminina, infelizmente, ainda é das mais fracas da Europa são muito importantes estes eventos destinados especificamente às mulheres, devido à grande visibilidade e à politica estratégica de promoção do desporto para quem ainda tem menores oportunidades para no fundo usufruírem da prática desportiva e consequentemente serem mais felizes.

Tendo em conta a geração de atletas femininas de estrada das décadas de 80 e 90 e a geração atual, pensa que Portugal voltará a ter atletas de renome a nível mundial?

AC: Acredito que sim. Naturalmente Portugal poderá voltar a ter atletas femininas de grande referência internacional, basta haver uma política desportiva nesse sentido, se assim for já está mais que provado que a mulher portuguesa tem competência, vontade e garra para figurar em primeiro plano em qualquer areópago desportivo mundial.

close